FSK-8.png

Estilos

ESTILOS

 

Em Ryukyu (Okinawa), originalmente, não havia nomes de estilos, cada mestre tinha sua ênfase de trabalho baseado em suas experiências pessoais e na preservação e instrução dos ensinamentos que haviam recebido de seus mestres, porém não nomeavam seus conhecimentos.

 

Na maioria das bibliografias atuais consta que, no final do século XVIII, havia três grandes centros de treinamento em Ryukyu, que um deles situava-se na cidade de Shuri, que era a antiga, capital onde residia a nobreza e família real, outro se situava na cidade de Naha, onde estava localizado o principal porto da ilha, e o último ficava na cidade de Tomari, zona portuária.

 

Sendo assim, neste período, cada uma destas cidades teria passado a desenvolver uma visão marcial própria. Desta forma, cada um destas linhagens (ou “estilos”) teria passado a ser conhecida pelo nome da cidade na qual era praticada, ou seja: Shuri-te, Naha-te e Tomari-te.

 

 

SHURI-TE

 

O Shuri-te, traduzido como “mãos de Shuri” ou “técnicas de Shuri”, é a linhagem que remonta os mestres Kanga Sakugawa, Sokon Matsumura, Anko Itosu e Anko Asato.

 

Kanga Sakugawa estudou, em Ryukyu, com Peichin Takahara e com o mestre chinês Kūshankū, e, por sua vez, teve como discípulo Sokon Matsumura.

 

Sokon Matsumura, melhor aluno de Kanga Sakugawa, esteve na China para aperfeiçoar seu treinamento e foi professor de Anko Itosu, Anko Asato, Kentsu Yabu, Choyu Motobu, Choki Motobu, Chobu Kyan, Chotoku Kyan, Yoshitada Kuwae e Nabiitanme.

 

Anko Itosu foi o principal discípulo de Sokon Matsumura e teve alguns discípulos que deram seguimento a sua linhagem, entre eles: Gichin Funakoshi, Chomo Hanashiro, Ken’yu Kudeken, Choshin Chibana, Kenwa Mabuni, Kanken Toyama e Chojo Oshiro. Além disso, Anko Itosu passou a ser a referência para Kentsu Yabu, Choyu Motobu, Choki Motobu e Chotoku Kyan após o falecimento de Sokon Matsumura.

 

As técnicas ensinadas por Kanga Sakugawa, Sokon Matsumura, Anko Itosu e Anko Asato lembram as técnicas provenientes do norte da China e os estilos chineses ditos “externos” ou “duros” (Wai-jia) nos quais se trabalham muito os membros inferiores, movimentos lineares, deslocamentos rápidos, esquivas, chutes altos, saltos e até movimentos acrobáticos, sempre com ênfase na velocidade. Esta linhagem originou os estilos Shorinryu, Shotokan, Shitoryu e Wadoryu.

 

Entre os discípulos de Anko Itosu figuravam alguns mestres que vieram a se tornar fundadores de alguns dos mais importantes estilos de Karate praticados nos dias de hoje. Entre eles podemos destacar Choshin Chibana, Chotoku Kyan, Gichin Funakoshi, Choki Motobu e Kenwa Mabuni.

 

Choshin Chibana e Chotoku Kyan, inicialmente, deram sequencia aos ensinamentos de Anko Itosu passando a chamar sua linha de trabalho de Shorinryu. Contudo, Chotoku Kyan sofreu a influência de Kosaku Matsumora em seu treinamento. Desta forma, Choshin Chibana passou a denominar sua linhagem de Shorinryu como Kobayashiryu e Chotoku Kyan passou a denominar sua forma de trabalho como Shobayashiryu. Gichin Funakoshi passou a dirigir a escola Shotokan, que com o passar dos anos tornou-se um estilo específico. Choki Motobu não criou um estilo próprio, mas foi o inspirador para a criação do estilo Motoburyu, elaborado por Seikichi Uehara. Kenwa Mabuni criou o Shitoryu.

 

Surge ainda, mais tarde, o estilo Wadoryu criado por Hironori Otsuka que foi aluno direto de Gichin Funakoshi e, da mesma forma, recebeu influências de Kenwa Mabuni e Choki Motobu. Devido a influência destes dois últimos mestres, Yasuhiro Konishi também fundou um estilo próprio denominado Shindo Jinenryu.

 

 

NAHA-TE

 

O Naha-te, que significa “mãos de Naha” ou “técnicas de Naha”, é a linhagem que remonta os mestres Ryuryu-ko, Waishinzan, Seisho Aragaki, Kanryo Higaonna e Kenri Nakaima. Os ensinamentos de Kanbun Uechi também figuram como pertencentes a esta linha de trabalho.

 

O mestre chinês Ryuryu-ko ensinou, na China, Waishinzan, Kanryo Higaonna e Kenri Nakaima.

 

Waishinzan ensinou, na China, Seisho Aragaki que por sua vez, em Okinawa, foi professor de Kanryo Higaonna, Gichin Funakoshi, Kanbun Uechi, Kanken Toyama, Kenwa Mabuni e Tsuyoshi Chitose.

 

Kanryo Higaonna, depois de haver regressado da China, teve alguns discípulos que deram seguimento a sua linhagem de treinamento, entre eles: Shigehatsu Kyoda, Chojun Miyagi, Koki Shiroma, Kenwa Mabuni e Kanken Toyama.

 

Kenri Nakaima, por sua vez, manteve inicialmente os ensinamentos obtidos com Ryuryu-ko em segredo entre os membros de sua família, em um estilo chamado Ryueiryu. Seus principais discípulos foram: Kenchu Nakaima e Kenko Naikaima, que foi o responsável pela difusão do estilo fora do âmbito familiar.

 

Kanbun Uechi aprendeu com Seisho Aragaki, porém seu treinamento principal veio diretamente na China. Seu legado é apontado como um Naha-te devido a semelhança das características de suas técnicas com aquelas ensinadas por Ryuryu-ko, Waishinzan, Kanryo Higaonna e Kenri Nakaima. Contudo, seu treinamento não teve conexão direta com nenhum destes mestres. Aprendeu, na China, um estilo chamado Ban-ying-ruan (“Pangai-nun” em Okinawa). Contudo, seus ensinamentos passaram a ser conhecidos como Uechi-ryu, por que foi assim nomeado por seu filho, Kan’ei Uechi.

 

As técnicas ensinadas por Ryuryu-ko, Waishinzan, Seisho Aragaki, Kanryo Higaonna, Kenri Nakaima e Kanbun Uechi são semelhantes àquelas originadas no sul da China, e aos estilos ditos “internos” ou “suaves” (Nei-jia), que enfatizam a utilização dos membros superiores, técnicas curtas de punho, movimentos circulares, busca pelo combate a curta distância, poder nas posições estáticas, chutes baixos e quase nunca com saltos. Distingue-se das técnicas treinadas em Shuri pela ênfase nas técnicas respiratórias, conhecidas como Ibuki (uma forma de Qi-gong chinês). Esta linhagem originou os estilos: Gojuryu, Ryueiryu, Shitoryu e Uechi-ryu.

 

Chojun Miyagi fundou o Gojuryu, que pretendia ser a continuação dos ensinamentos de Kanryo Higaonna. O Ryueiryu deixou de ser um estilo de família e passou a ser ensinado abertamente por Kenko Nakaima. Kenwa Mabuni criou o Shitoryu, mesclando as características e técnicas ensinadas por Anko Itosu e Kanryo Higaonna. Kan’ei Uechi, filho de Kanbun Uechi, passou a lecionar as técnicas herdadas de seu pai em um sistema que chamou de Uechi-ryu.

 

 

TOMARI-TE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Tomari-te, que quer dizer “mãos de Tomari” ou “técnicas de Tomari”, é a linhagem que remonta os mestres Kishin Teruya, Giko Uku e Kosaku Matsumora.

 

Kishin Teruya e Giko Uku foram contemporâneos e tiveram como discípulos Kokan Oyadomari, Yoshie Yamada e Kosaku Matsumora.

 

Não há registros de que Kokan Oyadomari e Yoshie Yamada tenham deixado discípulos que dessem continuidade aos seus conhecimentos. Porém, Kosaku Matsumora difundiu a herança deixada por Kishin Teruya e Giko Uku.

 

Kosaku Matsumora foi professor de Nio Sueyoshi, Kinin Kinjo, Gikei Yamazato, Seikichi Nakaema, Choki Motobu, Chotoku Kyan, Higa Kamado, Koho Kuba e Kotatsu Iha.

 

Enquanto o treinamento realizado em Shuri foi influenciado quase que exclusivamente pelos estilos “duros” ou “externos”, as técnicas treinadas em Tomari eram formadas por uma combinação dos sistemas “externos” e “internos” chineses, Wai-jia e Nei-jia.

 

Tecnicamente, o treinamento em Tomari realizado pelos mestres Kishin Teruya, Giko Uku e Kosaku Matsumora não era muito diferente daquele feito em Shuri, a mesma ênfase na velocidade e nos movimentos lineares, com bloqueios, sobretudo estudados ao nível Jodan (pescoço e cabeça), bem como uma predileção maior para imobilizações e projeções. Essa tendência deu origem a uma das linhas de trabalho do estilo Shorinryu e influenciou outros estilos, tais como: Shitoryu e Wadoryu, por intermédio de Choki Motobu e Chotoku Kyan.

 

Choki Motobu e Chotoku Kyan preservaram os ensinamentos de Kosaku Matsumora transmitindo-os para Tatsuo Yamada, Hironori Otsuka, Yasuhiro Konishi, Chosei Motobu, Shoshin Nagamine, Zenryo Shimabukuro, Joen Nakazato.

 

Shoshin Nagamine recebeu ainda a influência de Kotatsu Iha e é o responsável por uma das linhas de Shorinryu, a qual denominou Matsubayashiryu.

 

Apesar da existência de diversos estilos de Karate nos dias de hoje, a divisão da arte por nomes surgiu somente em meados da década de 30, por solicitação da Dai Nippon Butoku-kai, órgão japonês que administrava as artes marciais na época.

 

Além disso, a arte praticada no Japão, que consiste basicamente em socos e chutes e está voltada para o esporte, é apenas uma parte da arte originalmente praticada em Okinawa, onde as técnicas de luxações e projeções também estavam presentes.

 

No Japão, de uma forma geral, estão bem difundidos os estilos Gojuryu, Shotokan, Shitoryu e Wadoryu. Enquanto as correntes Shorinryu (Kobayashiryu, Shobayashiryu e Matsubayashiryu), Ryueiryu e Uechi-ryu permanecem mais ligadas a Okinawa.